Sacrificando os próprios filhos


Uma notícia surpreendente corre solta pelas ruas de Jerusalém, capital de Judá. O rei Acaz irá participar do cerimonial a Moloque, um deus amonita. Entre os servos da família real, o semblante desolado revela o sentimento de perda e frustração. Entretanto, nada podem fazer.

Finalmente chega o dia. Abrem-se os portões e a carruagem real deixa o palácio, seguindo rumo ao vale de
Hinon, nos arredores da capital. Lá no vale, o local está ornamentado com um aparato todo especial, os altares erguidos debaixo de frondosas árvores, estão repletos de oferendas de toda espécie, a comitiva real é recebida com festa, o cerimonial vai começar.

Músicas, danças e falsas predições fazem parte do ritual. Após um breve intervalo, o sacerdote apregoa a participação do rei, louvando-o pelo gesto e justificando ser extremamente necessário que tal ato ocorra para o próprio bem estar da nação.

Então o rei, após proferir algumas palavras que o sacerdote lhe dirige, entrega seu próprio filho para ser oferecido como sacrifício a
Moloque. Os tambores começam a rufar mais forte, flautas, cítaras, harpas e trombetas acompanham com uma música provocante, contagiante, deixando os presentes completamente extasiados. Nesse clima emocional, o sacerdote recebe dos braços do próprio rei a oferenda e caminha ao encontro de uma figura repulsiva que sem piedade consumia suas oferendas. A criança, percebendo o seu sinistro destino se debate e chora de medo e pavor. O sacerdote se aproxima o máximo que pode e lança o menino nos braços de Moloque. Contorcendo-se de dores atrozes ela clama por socorro, mas ninguém a acóde. Os tambores abafam os gritos de desespero e agonia. O espetáculo é horrível, cenas deprimentes que causam indignação e revolta. O cerimonial acabou.

A carruagem retorna para o palácio num silêncio que só é quebrado pelo trotar dos cavalos. O rei
Acaz está triste, porém muito esperançoso.

Embora este fato tenha acontecido há milhares de anos, ainda hoje as crianças são oferecidas diariamente a satanás. E o mais aterrador é que pais cristãos estão participando de tão cruel ritual.

Sacrificamos nossos filhos quando permitimos que os mesmos passem horas diante da televisão assistindo programas que destroem a alma com a mesma intensidade como o fogo de Moloque consumia sua oferenda. Sacrificamos nossos filhos quando os matriculamos em escolas cuja única preocupação é preparar bons profissionais para servirem à sociedade, sem se preocupar com a educação para a eternidade. Entregamos nossos filhos a Moloque quando deixamos de nos preocupar a respeito de suas amizades, com quem estão se envolvendo, por onde andam, o que estão fazendo. Sacrificamos nossos filhos quando negligenciamos o altar da família que é o culto familiar. Sacrificamos nossos filhos quando deixamos de interceder diariamente por eles.

Não temos outra saída. Ou colocamos nossos filhos sobre o altar do Senhor como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, ou satanás se encarregará de tomar conta deles.

O futuro deles também depende de você. Pense nisso.

(Juracy Santiago Castelo)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...