Campo missionário

Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Mateus 28:19, NVI

Quando nossas meninas tinham por volta de 3 e 5 anos de idade, tivemos o privilégio de ser mandados como missionários para um lugar distante. Embora nos entusiasmássemos com aquilo que o Senhor havia reservado para nós, também nos sentíamos receosos. Ao embarcarmos no avião – nosso primeiro
voo internacional –, sentíamos euforia e temor, ao mesmo tempo. Lembro-me de ter orado: Senhor, estou com medo. Para onde nos levarás? Chorei, no íntimo, receosa quanto ao desconhecido. Ao olhar, porém, para as minhas meninas, alegres, felizes, sem cuidado nenhum, disse a mim mesma: Jemima, se você entregou tudo a Deus para esta missão, então não há necessidade de se preocupar. É só seguir a Sua guia. Com esse pensamento, senti-me confortada.

Nunca nos esqueceremos da aventura de nossa missão africana. Fizemos belas amizades. Nossa vida, simples e humilde, era cheia de alegria e contentamento. Alegria por servir ao Mestre em tempo integral, e contentamento com o amor das pessoas com quem trabalhávamos.

Então, alguns anos depois de termos retornado para a América, perguntei ao meu esposo se poderíamos voltar para o campo missionário. Eu sentia falta das atividades que desenvolvíamos na África, da simplicidade e da vida de serviço que eu julgava ter levado. Depois de pensar um pouco, Danny me disse que a América era agora o nosso campo missionário, porque nosso campo missionário é onde quer que Deus nos coloque.

Essa
ideia ficou comigo, e em vez de desejar voltar ao “campo missionário”, comecei a viver a vida de serviço que já havia levado. Deus me disse que somos missionários onde quer que nos encontremos. Nossos familiares, nossos amigos, membros da nossa igreja, pessoas que encontramos no supermercado, na estação do metrô ou do ônibus, em nosso local de trabalho, todos – são eles o nosso campo missionário. Devemos amá-los, colocá-los em primeiro lugar. Esqueçamo-nos da nossa zona de conforto.

Agora, estou feliz e contente com a vida. Compreendi que não preciso viver em algum lugar longe de casa para ser missionária. Não preciso estar na África, Ásia ou em qualquer outro continente para viver uma vida simples. Não preciso estar a milhares de quilômetros de casa para experimentar a alegria de servir.

(Jemima Dollosa Orillosa in Meditação da Mulher)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...