Na Alegria e na Tristeza

Se uma parte sofre, todas as outras partes estão envolvidas no sofrimento, e na cura. Se uma parte floresce, todas as outras partes fazem parte da exuberância. 1 Coríntios 12:26

O apóstolo Paulo utiliza muitas metáforas para descrever o povo de Deus, a igreja. Uma que nos fala ternamente é a família; a igreja é a família da graça. Mas Paulo parece ter ficado intrigado com a imagem da igreja como o corpo de Cristo. Em sua primeira carta aos coríntios, ele desenvolve a ideia detalhadamente, dedicando a maior parte de um longo capítulo para isso (1Co 12:12-30). Paulo retoma a ideia em suas cartas aos romanos (Rm 12:4, 5), aos efésios (Ef 1:22; 4:15, 16) e aos colossenses (Cl 1:18-24).

“A maneira pela qual Deus projetou nosso corpo é um modelo para entendermos nossa vida em conjunto como igreja”, escreveu aos fiéis de Corinto, “cada parte depende da outra, as partes que mencionamos e as que não mencionamos, as partes que vemos e as que não vemos” (1Co 12:24-26, The Message).

Não há hierarquia aqui. Dependemos um do outro, apoiamos um ao outro, participamos da dor e da alegria um do outro.

Do Polo Sul provém uma linda história de interdependência. Ali, no lugar mais extremo do planeta, uma médica teve que depender de seus pacientes. A Dra. Jerri Nielsen leu o anúncio no jornal de medicina que recrutava médicos para trabalhar na base de pesquisa na Antártica. Recém-divorciada, a Dra. Nielsen, médica especialista em pronto-socorro, estava preparada para uma mudança. Em 21 de novembro de 1998, ela chegou à estação Amundsen-Scott, no Polo Sul, bem no início do verão. Antes da chegada do inverno, a maioria dos moradores locais partiu, deixando para trás Nielsen, 40 cientistas, a equipe de construção e a equipe de apoio. O último voo decolou no dia 15 de fevereiro. A uma temperatura de -73 ºC, o combustível das aeronaves parecia gelatina. Assim, não havia qualquer possibilidade de alçar voo até novembro. No início de março, a Dra. Nielsen descobriu um caroço no seio direito.

A luta pela sobrevivência dessa médica travada no Polo Sul atraiu a atenção do mundo. Seus pacientes lhe ofereceram uma chance de viver. Um deles repetidamente inseria uma agulha no tumor na tentativa de retirar o fluido. Um soldador ajudou a realizar a biópsia. Outros administraram a quimioterapia. Ela sobreviveu!

Sempre que apoiamos um ao outro, grandes coisas acontecem.

(Meditações Diárias / Rede Maranatha)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...