O Reino dos Mansos


O lobo e o cordeiro comerão juntos, e o leão comerá feno, como o boi, mas o pó será a comida da serpente. Ninguém fará nem mal nem destruição em todo o Meu santo monte, diz o Senhor. Isaías 65:25

Em uma visita à minha cidade 
natal de Adelaide, na Austrália, tive um vislumbre da sociedade ideal de Deus, o reino dos mansos. Adelaide se localiza numa planície em meio a uma cadeia de montanhas de baixa altitude ao leste do litoral. Quando menino, eu costumava passear por aquelas montanhas com meus irmãos. Avistávamos lebres, raposas e, de vez em quando, um canguru. Não fazia a menor ideia de como era a vida que no passado existiu naquela área.



Certo professor de matemática empenhou-se em restaurar parte das montanhas ao que era originalmente, cerca de 200 anos antes. (Os primeiros colonizadores chegaram em 1836.) Ele comprou uma fazenda e começou a reflorestá-la com árvores e plantas nativas. Ao redor de toda a área ele construiu uma cerca fortificada para manter afastados os predadores: raposas, gatos selvagens e cães. Em seguida, introduziu espécies que um dia haviam habitado aquele ambiente, mas que quase foram extintas. Ele não fornecia comida aos animais, apenas um lugar seguro para que morassem e se reproduzissem.

O passeio com um guia pelo santuário começa logo ao entardecer, pois a maioria dos animais que ali habita tem hábitos noturnos. À medida que a noite chega, as luzes das lanternas sinalizam o caminho. Logo o lugar se enche de uma grande variedade de criaturas, grandes e pequenas, como jamais imaginei. Flagrados pela luz das lanternas, assustados com o movimento repentino, encontramos um bando de criaturas saltitantes, alguns tão pequenos quanto ratos, outros um pouco maiores. Trata-se de uma espécie de canguru de tamanho pequeno, os wallabies. Eles parecem surreais, algo que saiu de um dos filmes de Steven Spielberg; criaturas de brinquedo em que damos corda e saem pulando por aí.

Nesse lugar conheci uma imensidão de novos nomes de animais semelhantes a cangurus, criaturas indefesas, presas fáceis de raposas, cães e gatos introduzidos no continente pelos colonizadores.

O reino deste mundo é violento. A violência nos rodeia; filmes e programas de televisão alimentam o apetite cada vez mais insatisfeito. Devido à natureza da sociedade, muitos argumentam que a violência organizada, como a guerra, e a violência legalizada, como a execução, são inevitáveis e necessárias.

Talvez sim. Mas o reino do Céu, onde o manso Jesus reina (mesmo hoje), é totalmente diferente. A graça e a violência não têm nada em comum.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...