Os Misericordiosos


Bem-aventurados os misericordiosos, pois obterão misericórdia. Mateus 5:7

As bem-aventuranças revelam um conceito de desenvolvimento. Nas primeiras quatro – os pobres em espírito, os que choram, os mansos e os que têm fome e sede – a ênfase recai nas atitudes. Embora na visão do mundo as pessoas assim sejam consideradas fracas, perdedoras, desprezíveis e indignas de uma segunda avaliação, Deus as chama de “abençoadas”.

Nas três bem-aventuranças seguintes vemos a ênfase sair da atitude e focalizar a ação, do ser para o fazer. Enquanto as quatro primeiras descrevem o tipo de pessoas que podem receber a bênção do Messias, as três seguintes começam a descrever de que forma tais indivíduos vivem no mundo.


Em primeiro lugar, os cidadãos do reino de Jesus são misericordiosos. Essa palavra poderosa implica atos de bondade e graça, assim como na ação misericordiosa do bom samaritano (Lc 10:25-37). Ser misericordioso significa mais do que ter uma natureza perdoadora; significa ir ao encontro das pessoas necessitadas, machucadas, desesperadas. Significa ir ao encontro delas levando esperança e bondade. Os misericordiosos são misericordiosos porque agem com misericórdia.

Não podemos ser cidadãos do reino de Jesus e viver como eremitas ou monges, fugindo do mundo e de suas necessidades. Certa vez visitei os templos esculpidos em rochas de uma religião antiga. Nesses recessos, homens se refugiavam do mundo para passar seus dias contemplando o enigma da existência humana. Em pequenos ambientes esculpidos em pedra, levavam uma vida de celibato, oração e abnegação. Mas no interior das salas de reunião havia afrescos, trabalhados em cores. Embora a umidade e a fumaça tenham destruído a maior parte das obras de arte, depois de 20 séculos, as cenas libertinas – danças, bebedeira, mulheres com pouca roupa – ainda são evidentes.

“Como é possível”, perguntei ao guia, “esses monges terem decorado as paredes com esse tipo de pintura?” A resposta: “Visto que estavam protegidos da tentação do mundo, eles tinham que ter cenas como essas para desenvolver o caráter!”

Que diferença dos ensinos de Jesus! Nós que O seguimos não contemplamos a misericórdia; nós a praticamos. Não meditamos na pureza do coração; nós a vivemos nas relações do dia a dia. Não falamos sobre a paz; procuramos trazer a paz de Deus aos homens e mulheres com quem convivemos.

“Ante o apelo do tentado, do errante, das míseras vítimas da necessidade e do pecado, o cristão não pergunta: São eles dignos? Mas: Como posso beneficiá-los?” (Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 22).


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...