A disputa entre a vida e a morte


Portanto, somos embaixadores de Cristo, como se Deus estivesse fazendo o Seu apelo por nosso intermédio. Por amor a Cristo lhes suplicamos: Reconciliem-se com Deus. 2 Coríntios 5:20

Susan Torres gozava de perfeita saúde ao descobrir no mês de fevereiro que estava grávida. Ela e o esposo, Jason, receberam a notícia do segundo filho com a mistura comum de alegria e apreensão. Susan estava com 26 anos. Aos 17 anos, os médicos haviam removido uma pinta escura e disforme de seu braço e a biópsia havia indicado que se tratava de melanoma. Na ocasião, porém, os médicos lhe deram alta e a garantia de que estava tudo bem.

Então, no fim de abril, Susan começou a reclamar de um pouco de náusea. Começou também a sentir dores de cabeça cada vez mais fortes. Ao persistirem os sintomas, Jason a levou ao hospital e os médicos disseram que ela estava apenas um pouco desidratada. O casal voltou para casa.

Em 7 de maio, o esposo de Susan preparou o jantar e a ajudou a se alimentar, pois ela estava de cama. Susan pediu desculpas por dar tanto trabalho. “Não se preocupe, querida”, o esposo respondeu.

Momentos depois, Susan parou de respirar. Jason chamou a ambulância e deu início à ressuscitação cardiopulmonar. No hospital, os médicos submeteram Susan à tomografia computadorizada e não detectaram nenhuma atividade cerebral. Susan tinha um tumor na parte posterior da cabeça que havia entrado em metástase e sangrado, pressionando o cérebro. Aos 26 anos, Susan Torres sofreu morte cerebral. Ela estava com cinco meses de gestação.

Após uma reunião com Jason, os pais de Susan e os médicos, foi tomada uma decisão corajosa: eles tentariam manter o corpo de Susan vivo através de máquinas e manteriam o feto nutrido e hidratado na esperança de que o bebê conseguisse chegar às 25 semanas (metade de julho), fase em que teria a chance de sobreviver fora do útero. Essa também seria uma disputa contra o melanoma mortal que se espalhava pelo corpo de Susan e tinha a capacidade de penetrar a placenta e atacar o feto. Foi imensa a pressão que Jason Torres sofreu, ao tentar cuidar da esposa e do filho de dois anos. A conta do hospital era astronômica: mais de um milhão de dólares.

Por que ele decidiu agir assim? Por que os médicos apoiaram essa decisão? Para dar a uma criança a chance de viver.

Por que o apóstolo Paulo se dedicou completamente à pregação do evangelho, sem se poupar? Para dar a um filho de Deus a chance da vida eterna.

Vida! Essa é a questão.

**************************************

-> Texto: William G. Johnsson, do devocional 2012 “Jesus a preciosa graça”, da Casa Publicadora Brasileira. www.cpb.com.br


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...