O pentecostes

Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. [...] Todos ficaram cheios do Espírito Santo. Atos 2:1, 4 

Durante o período do Antigo Testamento, a influência do Espírito de Deus fora vista de maneira notável, mas não em sua plenitude. Ao longo de séculos, orações foram feitas, pedindo o cumprimento da promessa divina do derramamento do Espírito Santo, e nenhuma dessas súplicas fervorosas fora esquecida. 

Cristo determinou que ao subir da Terra concederia um dom aos que haviam nEle crido e aos que haveriam de crer. Que dom bastante valioso poderia Ele conceder para assinalar e honrar Sua ascensão ao trono mediador? Precisaria ser digno de sua grandeza e realeza. Determinou-Se a dar Seu representante, a terceira pessoa da Divindade. Não poderia haver dádiva mais excelente. [...]
O Espírito esperava pela crucifixão, ressurreição e ascensão de Cristo. Por dez dias fizeram os discípulos suas petições, e Cristo no Céu lhes acrescentou Sua intercessão. [...] 

O Espírito foi concedido conforme Ele o prometera, e como um vento veemente e impetuoso veio sobre os que estavam reunidos, enchendo toda a casa. Veio com plenitude e poder, como se por séculos essa influência estivesse sendo reprimida. [...]
No dia de Pentecostes, as testemunhas de Cristo proclamaram a verdade, contando às pessoas as maravilhosas boas-novas da salvação por 

meio de Cristo. Como uma espada flamejante de dois gumes, a verdade irradiou convicção ao coração humano. As pessoas se submeteram ao controle de Cristo. As boas-novas foram levadas às mais longínquas extremidades do mundo habitado. A igreja viu como de todos os lugares lhe afluíam conversos. O altar da cruz, que santifica o dom, foi reconstruído. Crentes foram convertidos de novo. Pecadores se aliavam aos cristãos para buscar a pérola de grande preço. Cumpriu-se a profecia: “E o que dentre eles tropeçar, naquele dia, será como Davi, e a casa de Davi será [...] como o anjo do Senhor diante deles” (Zc 12:8). Cada cristão via em seu irmão a semelhança divina de benevolência e amor. Um único interesse prevalecia. Um objetivo absorvia todos os outros. Todos os corações palpitavam em harmonia. 

O único empenho dos crentes era revelar a semelhança do caráter de Cristo e trabalhar pelo engrandecimento de Seu reino. [...] O Espírito de Cristo animava toda a congregação, porque tinham achado a pérola de grande preço (Signs of the Times, 1º de dezembro de 1898). 

-> Texto: Ellen G. White, do devocional 2013 “Perto do Céu”, da Casa Publicadora Brasileira.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...