Graça Criativa


Vejamos quão criativos podemos ser ao encorajarmos o amor e as boas obras. Hebreus 10:24

Gosto de observar o comportamento das pessoas quando saem da igreja após o culto. Quando saem cabisbaixas, mal cumprimentando os outros e apressadas, digo a mim mesmo: “Elas não escutaram as boas-novas hoje.” Mas quando entoam o hino final com ânimo, caminham com a cabeça erguida e demoram para deixar o lugar em que foram abençoadas, reflito: “Hoje elas ouviram a mensagem de esperança e coragem.”

Não vamos à igreja para ser espancados pelo pregador. A vida já é dura demais. Não precisamos que alguém nos diga o que já sabemos, que atrapalhamos tudo, que frustramos o ideal de Deus para nós. Não vamos à igreja porque somos perfeitos, mas porque estamos longe da perfeição. Queremos ver Jesus, nosso Salvador, nosso Médico, nossa esperança viva.


Um dos meus pregadores preferidos é o pastor adventista do sétimo dia Jim Gilley. Seus sermões são sempre interessantes e entrelaçados com ilustrações, a maioria extraída de sua própria experiência. Ele nunca se coloca em evidência, apenas partilha suas lutas com uma pitada de humor autorreprovador.

O pastor Gilley já escreveu vários livros, entre eles Keep On Keeping On [Prossiga Prosseguindo]. Não é de surpreender que ele tenha um sermão com o mesmo título em que conta a história de um homem diabético que, por muitos anos, cuidou rigorosamente de sua dieta alimentar, mas, por fim, disse à família: “Vou comer o que bem entender, mesmo que isso me mate.” E cumpriu o que disse. Apenas duas semanas após sua morte, a insulina injetável foi inventada. Ele desistiu cedo demais.

Durante a época da faculdade, Jim Gilley teve notas muitos ruins e decidiu parar os estudos. Ao conversar com o reitor da instituição para solicitar a interrupção do curso, o reitor logo percebeu o problema de Jim: seu namoro havia acabado fazia pouco tempo. O reitor aconselhou Jim a tirar uns dias de folga fora do campus e assegurou-lhe que assinaria os papéis para a desistência do curso assim que ele retornasse ao campus. Jim aceitou o conselho do reitor e saiu por alguns dias. Dirigiu horas e horas, pensou muito. Ao retornar para o campus, decidiu continuar os estudos. Ele permaneceu na instituição, tratando a ex-namorada da forma mais rude que podia.

Mas a graça é estranha e maravilhosamente criativa. Um ano mais tarde, eles se casaram e viveram felizes para sempre!


-> Texto: William G. Johnsson, do devocional 2012 “Jesus a preciosa graça”, da Casa Publicadora Brasileira.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...