Verdadeiras riquezas

As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça. Mateus 8:20

Cristo veio a este mundo viver em perfeita obediência às leis do reino de Deus. Veio elevar e enobrecer os seres humanos, produzindo uma justiça duradoura em seu favor. Veio como um meio pelo qual a verdade pudesse ser transmitida. NEle se encontram todas as excelências necessárias para a perfeição absoluta de caráter. [...]

Cristo abriu mão de Seu elevado comando nas cortes celestiais, e pondo de lado Suas vestes e coroa reais, revestiu da humanidade Sua divindade. Pelo nosso bem, fez-Se pobre de riquezas e vantagens terrenas, para que os seres humanos pudessem ser ricos do peso eterno de glória. 

Assumiu Seu lugar à frente da família humana, e consentiu sofrer em nosso favor as provações e tentações geradas pelo pecado. Poderia ter vindo com poder e grande glória, escoltado por uma multidão de anjos celestiais. Mas, não. Veio em humildade, de descendência modesta. Foi criado em uma vila desconhecida e desprezada. Viveu uma vida de pobreza e, muitas vezes, sofreu privação e fome. Fez isso para mostrar que as riquezas e altas posições terrenas não elevam o valor do ser humano aos olhos de Deus. De maneira alguma nos incentivou a pensar que as riquezas tornam o ser humano digno da vida eterna. Os membros de igreja que tratam como se fosse indigno de sua atenção um irmão que empobreceu, certamente não aprenderam isso com Cristo. [...]

É a submissão ao pecado que traz grande infelicidade ao coração. Não é a pobreza, mas a desobediência que reduz a esperança da pessoa de ganhar a vida eterna, que o Salvador veio conceder-lhe. As verdadeiras riquezas, a verdadeira paz, o verdadeiro contentamento e a felicidade duradoura são encontrados apenas na submissão completa a Deus, na reconciliação perfeita com a vontade
dEle. Cristo veio ao nosso mundo viver em imaculada pureza para, assim, mostrar aos pecadores que em Sua força eles também podem obedecer aos santos preceitos de Deus, às leis de Seu reino. Ele veio engrandecer a lei e dignificá-la por meio de Sua perfeita conformidade com seus princípios. Ele unificou a humanidade e a divindade, para que os seres humanos caídos possam se tornar participantes da natureza divina. [...]

Do Pai foi que Cristo constantemente extraía poder que O capacitava a manter Sua vida livre da mácula ou mancha do pecado 
(Review and Herald, 4 de julho de 1912).


-> Texto: Ellen G. White, do devocional 2013 “Perto do Céu”, da Casa Publicadora Brasileira.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...