Alho, nunca mais


E de muitas coisas [Jesus] lhes falou por parábolas e dizia: Eis que o semeador saiu a semear. Mateus 13:3

Imagine uma praia, com ondas quebrando sobre as rochas enquanto balançam os barcos atracados ali perto. Veja as colinas que se elevam a partir da praia, exibindo algumas plantas rasteiras e dispersas flores silvestres.

À distância, note um terreno preparado em forma de terraços, coberto com a terra castanha e pronto para a plantação. Observe as pessoas ansiosas, uma multidão reunida perto da praia por um pequeno grupo de homens rudes, parados junto a seus barcos de pesca.

Várias falam animadamente sobre o homem galileu que explica as coisas espirituais de tal modo que até os endurecidos e os jovens param para ouvir. Um adolescente anuncia que será o primeiro a decifrar o enigma de Jesus para aquele dia. Em meio às vozes comuns, uma outra, melódica, eleva-se confiante para contar uma parábola, ensinando sobre sementes que foram semeadas, algumas caindo em terreno preparado e outras não.

Essa parábola perambula por minha mente, enquanto meu corpo sofre o castigo do jardineiro: ervas daninhas, centenas delas. Há ervas daninhas e também há plantas boas no lugar errado. Minha colher de jardinagem se afunda na terra escura, procurando bulbos de alho. Os benefícios do consumo do alho aparecem no alto da lista de livros sobre vegetais, mas aquele não era, simplesmente, o melhor lugar para pés de alho na minha horta. Algo diferente aproveitaria melhor aquele ponto favorecido ao sol.

Pensando na parábola das sementes, decidi criar a parábola do alho. Jesus usou a natureza para ilustrar, e então usei o alho como representando os pecados da minha vida. Eu precisava substituir o alho por alguma outra coisa. A substituta dos meus alhos de “pecado” foi uma planta de ruibarbo, com folhas enormes e pecíolos azedos, comestíveis. Nunca mais um bulbo de alho subiria para receber luz ali. Alguns pecados em minha vida precisam ser desarraigados, embora se pareçam com atividades aceitáveis. Saber que eu precisava de um substituto não produziu sucesso instantâneo, mas a planta do ruibarbo se desenvolveu bem, com apenas um pouco de água adicional e um fertilizante de vez em quando. A água espiritual e o estudo da Bíblia capacitam o cristão a substituir os maus hábitos pelos bons.

(Helen Dick Burton in Meditação da Mulher)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...