A Mente Voraz


Ninguém desta casa está acima de mim. Ele nada me negou, a não ser a senhora, porque é a mulher dele. Como poderia eu, então, cometer algo tão perverso e pecar contra Deus? Gênesis 39:9

A resposta de José para a mulher de Potifar é clássica. A cena se assemelha com a de uma novela: o jovem e a mulher mais velha; o escravo e a esposa do mestre, que trama seduzi-lo, aguarda o momento oportuno e, então, ataca. Mas, mesmo em desvantagem (os desejos da carne, a manipulação, a demonstração de poder), o jovem não age conforme o roteiro manda. José vira as costas e foge.

Não sabemos qual era a aparência da mulher de Potifar, se era atraente ou não. Por ser a mulher de um oficial do governo, há grande possibilidade de que fosse muito atraente. Sem dúvida, ela se adornou com as roupas e joias mais sedutoras que possuía para tentar atrair o jovem que havia escolhido para conquistar. Mas pode ser que ela não tenha sido nada atraente. A tentação geralmente ocorre por meios bem comuns. A tentação ocorre principalmente na mente, sussurrando que os prazeres proibidos são os melhores, que águas roubadas são doces. (Compare com Provérbios 7:21.)

A grande obra de Izaak Walton, The Compleat Angler [O Completo Pescador], aparentemente trata da arte de pescar; mas, na verdade, é mais uma reflexão sobre a vida. Walton observa: “Como pode algo tão pequeno atrair uma mente tão voraz?”

A mente voraz do peixe o leva a abocanhar uma isca minúscula pendurada na água. Da mesma forma, a mente voraz do ser humano o leva a abocanhar “iscas” menos do que atraentes que se apresentam diante dela.


Podemos observá-las ao longo do relato bíblico, pessoas se vendendo por coisas “tão pequenas”. Esaú abriu mão de seu direito de primogenitura por um prato de cozido de lentilhas.
Acã vendeu a alma por uma capa comum e uma barra de ouro. E o pior: Judas, um dos 12, vendeu seu Senhor por trinta moedas miseráveis de prata. Vez após outra a sequência se repete: a pessoa se concentra na isca proibida, se encanta e abocanha o anzol.

Mas não José, graças a Deus! Como ele conseguiu sair ileso de uma tentação tão poderosa? Ele conhecia e amava a Deus e não faria nada – nada – que O desonrasse. 




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...