A Graça é Como a Neve


Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e mais branco do que a neve serei. Salmo 51:7

Levei alguns anos para notar
quão bela a neve pode ser. Em minha infância na Austrália, um país quente, meus lugares prediletos eram a praia e o oceano. Da Austrália fui para a Índia, um país mais quente ainda, local em que, paradoxalmente, vi a neve pela primeira vez no cimo das montanhas.

Depois da Índia, fomos para a Andrews University, em Michigan, EUA. O inverno em Berrien Springs é rigoroso e coberto de neve. Quando ele chegava, eu não via a hora que fosse embora. Mas, certo ano, enquanto observava melancolicamente a paisagem branca com grandes flocos de neve caindo do céu, me encontrei com uma aluna que enxergava o mundo de maneira totalmente diferente.


– Não é lindo? – ela disse. – Mal posso esperar a chegada do inverno a cada ano!

Gradualmente comecei a fazer as pazes com o inverno de Michigan. Se você não pode com ele, junte-se a ele. Estava prestes a adquirir um par de esquis quando nos mudamos para Washington. Ali, local em que o inverno é bem menos rigoroso, por fim comecei a apreciar a beleza da neve.

Aprecio fazer caminhada, especialmente em companhia de Noelene. Caminhar na neve proporciona um encanto e um prazer que não se comparam a nenhuma trilha nas montanhas ou escalada. Agasalhamo-nos bem, colocamos meias grossas e botas e nos aventuramos no mundo maravilhoso da neve. É especialmente esplendoroso se os flocos de neve ainda estiverem caindo e baterem de encontro com as bochechas. Afundamos o pé na neve o trajeto inteiro, produzindo um chiado distinto. O ar crepita como cristal; o menor som é transportado para longe. Não há necessidade de caminhos nem trilhas, pois a neve é uma grande niveladora. Torna tudo plano para onde quer que você vá. Provavelmente você ouça passarinhos cantando alegremente nas partes mais densas do trajeto.

Tudo parece belo sob o carpete branco. As cercas vivas merecem ser fotografadas. O simples pé de framboesa, coberto com capuz branco, reluz e brilha. O gramado mais inferior e o arbusto mais feio são transformados. Qualquer lixo fica coberto, escondido. O mundo nasceu de novo.

Exatamente como a neve, a graça cobre nossas imperfeições, nossa aspereza, nossa rudeza. A pessoa menos dotada de atrativos físicos se torna uma princesa ou um príncipe ao ser tocada pelo Mestre da “neve”, que é o Rei da graça.

A graça torna tudo belo. A graça torna tudo novo.


-> Texto: William G. Johnsson, do devocional 2012 “Jesus a preciosa graça”, da Casa Publicadora Brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...