Venha para casa


Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas. Isaías 53:6

Sempre gostei de cães da raça collie, e desejei 
ter um, em algum momento da minha vida. O Senhor me abençoou com Max. Um dia, vi um anúncio no jornal, dizendo: “Collie grátis, querendo uma casa boa.” Respondi ao anúncio e, quando cheguei ao endereço, Max pulou em mim. Eu soube, então, que ele era meu – o cachorro certo para mim.


Levei Max para casa, caminhei com ele pelo quintal, deixei que corresse e lhe arranjei uma casinha. Em pouco tempo, ele se acostumou ao novo ambiente, bem como à nossa rotina. Então, decidiu que queria explorar além das cercanias imediatas. Tentou, tentou, até conseguir soltar-se. Da primeira vez, ele simplesmente correu ao redor da casa várias vezes, e depois subiu para a varanda, onde ficou deitado até de manhã. Depois, soltou-se mais algumas vezes, indo cada vez um pouco mais longe. Sempre o trazíamos de volta e tentávamos prendê-lo com mais segurança. Da última vez que Max se soltou, ausentou-se por três dias. Fiquei doente. Comentei com meu esposo: “Alguém está com ele”, e fomos a uma loja da vizinhança para colocar um cartaz de cachorro perdido. No dia seguinte, recebemos o telefonema de uma mulher que disse que estava com o Max. Anotei o número e lhe disse que telefonaria quando meu esposo voltasse para casa. Quando ligamos de novo, ela disse: “Ele escapou. Tive que sair e o desamarrei, e ele saiu correndo com alguns cães da vizinhança.” Pediu desculpas e disse que, se o visse de novo, nos avisaria.

Decidimos procurá-lo outra vez, mas nem sinal de Max. Finalmente, quando voltávamos para casa, nossa neta disse: – Olhem, lá está ele!
– Onde? – meu marido e eu perguntamos, sem fôlego. Dito e feito: era Max! Nós o chamamos, e ele veio correndo. A senhora da casa onde ele estava saiu para se encontrar com os donos do Max. Disse que ele era um bom cachorro, e que lhe havia comprado um pouco de ração.

Assim como Max, às vezes queremos explorar o território além das adjacências. Desprendemo-nos e nos enredamos com as coisas deste mundo, e depois nos perdemos. Distanciamo-nos do nosso Criador. Graças a Deus, temos um Pai que nos quer de volta em casa. Na parábola da ovelha perdida, lemos: “Alegrai-vos comigo, porque já achei a Minha ovelha perdida” (Lucas 15:6).

(Elaine J. Johnson in Meditação da Mulher)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...