Coração alegre


Bendito seja o Senhor que, dia a dia, leva o nosso fardo! Deus é a nossa salvação. Salmo 68:19

Os cristãos devem ser as pessoas mais alegres e felizes que existem. Podem ter a consciência de que Deus é seu Pai e Amigo constante. Mas muitos professos cristãos não representam corretamente a religião cristã. Parecem tristes, sentindo-se desfavorecidos. Falam frequentemente do grande sacrifício que fizeram para se tornar cristãos. Apelam para aqueles que não aceitaram a Cristo, demonstrando por seu exemplo e conversação que não devem abandonar tudo o que tornaria a vida agradável e alegre. Lançam um manto de sombras sobre a bendita esperança cristã. Dão a impressão de que as ordens de Deus são um fardo mesmo para a pessoa disposta, e que tudo que dá prazer ou que agrada ao gosto deve ser sacrificado.

Não hesitamos em dizer que essa classe de professos cristãos não tem o artigo genuíno. Deus é amor. Aquele que está em Deus, está em amor. Todos os que realmente se relacionaram, por experiência, com o amor e a terna compaixão de nosso Pai celestial transmitem luz e alegria onde quer que estejam. Sua presença e influência são como a fragrância agradável das flores aos que com eles convivem, porque estão ligados a Deus e ao Céu, e a pureza e a beleza exaltadas do Céu são comunicadas através deles a todos os que têm contato com sua influência. Isso faz deles a luz do mundo, o sal da Terra. [...]

De onde o artista obtém seu modelo? Da natureza. O grande Artista-Mestre pintou sobre a tela móvel e mutável do firmamento as glórias do pôr do sol. Coloriu e iluminou os céus de ouro, prata e vermelho, como se os portais do alto Céu se abrissem de par em par, a fim de que pudéssemos ver seu brilho, e nossa imaginação percebesse a glória interior. [...]

Ao sermos atraídos à beleza da natureza e nos aproximarmos das coisas que Deus criou para a felicidade do ser humano com seus atributos, consideraremos a Deus como um terno e amoroso Pai, em vez de meramente um juiz severo. [...] O coração se comove e pulsa com novo e mais profundo amor, cheio de admiração e reverência, quando contemplamos Deus na natureza 
(Review and Herald, 25 de julho de 1871).


-> Texto: Ellen G. White, do devocional 2013 “Perto do Céu”, da Casa Publicadora Brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...