A Estrada Menos Percorrida


 Pois o Senhor aprova o caminho dos justos, 
  mas o caminho dos ímpios leva à destruição! 
  Salmo 1:6 

“Em duas partiu-se num bosque a estrada, e eu... eu escolhi a menos percorrida e isso fez toda a diferença” (Robert
Frost).

A estrada menos percorrida ainda é o caminho para os seguidores de Jesus. Ele nos disse: “Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram” (
Mt 7:13, 14).

Encontramos a descrição de dois caminhos no primeiro capítulo do livro de Salmos. Um é o caminho do justo, “aquele que não segue o conselho dos ímpios, não imita a conduta dos pecadores, nem se assenta na roda dos zombadores” (v. 1). Hoje poderíamos colocar da seguinte maneira: aquele que não trilha o caminho do secular, dos valores materiais; aquele que não segue a maioria simplesmente por ser um caminho mais fácil; aquele que se afasta da influência destruidora do cinismo.

Para aqueles que trilham a estrada menos percorrida – o caminho de Deus – “sua satisfação está na lei do Senhor, e nessa lei medita dia e noite” (v. 2). Para os hebreus, a lei de Deus englobava mais do que os Dez Mandamentos, apesar de os dez preceitos serem o auge da lei. A
Torá (lei) englobava toda a revelação da vontade divina disponível à humanidade. Para nós hoje, encontramos a revelação da vontade divina na Bíblia, instrumento concedido pelo Senhor para nos mostrar como viver.

Para aqueles que seguem a estrada menos percorrida, há vida em abundância. São como a “árvore plantada à beira de águas correntes” que produz frutos deliciosos e cujas folhas não murcham (v. 3). Tudo o que fazem “prospera”. Isso não quer dizer que fiquem ricos ou que estejam protegidos contra dores de cabeça e situações difíceis, mas que Deus está ao seu lado para o que der e vier.

O mesmo não ocorre com os que escolhem o caminho largo. Eles são como a palha levada pelo vento – hoje, eles parecem prosperar e viver a vida intensamente, mas amanhã deixam de existir e caem no esquecimento (v. 4). Além disso, eles enfrentarão o julgamento divino, ocasião em que todo ser humano será chamado a dar contas a Deus de como utilizou o dom da vida que recebeu.

A estrada menos percorrida é o melhor caminho. É o caminho da plenitude de vida aqui e agora – a oportunidade de estar plenamente vivo. É o caminho que leva à felicidade eterna.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...