Escrevendo Para Deus


Escreva-se isto para as futuras gerações, e um povo que ainda será criado louvará o Senhor. Salmo 102:18

Por chamado, sou ministro do evangelho;
por processo criativo, sou escritor. Tenho a grande satisfação, concedida pela mão graciosa de Deus, de geralmente conciliar meu trabalho ao meu hobby. Durante 25 anos, meu ministério esteve mais voltado à escrita e à editoração de textos. Mas eu já escrevia muito antes disso – desde a sétima série, oitavo ano.

Sou um escritor compulsivo; sinto a necessidade de escrever. A compulsão e o anseio não são motivados apenas pelas datas de entrega (embora elas sejam parte de minha vida), mas de meu ser. Quando estou envolvido com a produção de um artigo importante, as ideias são construídas em meu íntimo – trechos de abertura, títulos, ilustrações, mudanças na ordem da apresentação, como concluir – e não consigo dormir bem. Acordo cedo (bem cedo) e começo a trabalhar. Apenas depois de concluir o artigo é que minha mente consegue finalmente descansar.


O término de qualquer texto, seja um editorial, ou algo menor (como uma das mensagens diárias deste devocional), um artigo extenso, uma pesquisa acadêmica, ou a produção de um livro, sempre me deixa com sentimentos conflitantes. Sinto-me feliz, mas ao mesmo tempo esgotado. O processo criativo me impulsiona, mas também suga minhas forças. Depois de um esforço prolongado como esse, minha mente e meu corpo precisam de vários dias para recobrar o equilíbrio.

Há muito tempo, determinei que tudo o que viesse a escrever seria para a glória de Deus. Decidi que me absteria de tentar usar a esperteza ou perspicácia para impressionar o leitor. Quero que o Senhor e a Sua profunda bondade sejam apreciados com o mínimo possível de interferência do ego humano.

Alguns dos momentos mais maravilhosos da minha vida ocorreram ao escrever para Deus. Artigos, editoriais, textos apropriados para a ocasião; materiais escritos às pressas, mas que saíram como gostaria já no primeiro rascunho.

Este devocional em si é uma obra da graça. Combinei com o editor uma data para a entrega do material, mas fiquei tão ocupado que pedi a prorrogação do prazo. O que eu não sabia é que esse trabalho coincidiria com o período mais agitado da minha vida, ocasião em que grandes projetos não previstos estiveram sob minha responsabilidade. O que quero dizer é isto: não havia possibilidade deste material ser produzido; no entanto, aqui está. Inclino minha fronte em reconhecimento e gratidão a Deus.


-> Texto: William G. Johnsson, do devocional 2012 “Jesus a preciosa graça”, da Casa Publicadora Brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...